Acho que entendi

Acho que entendi

Eu estava a bordo do avião que me levaria para casa, depois de uma visita a Toronto, no Canadá. Quando o homem que se sentou ao meu lado começou a falar ao seu iPhone,  reconheci seu sotaque sul-africano, pois eu havia estado lá em uma conferência no ano anterior.

Em pouco tempo, Andrew Harrison e eu estávamos em uma conversa que durou até o fim do voo. Ele tinha um monte de histórias para contar, e eu, na maior parte do tempo, escutei. Descobri que ele tinha experiência em aventuras ao ar livre para a formação de equipe. Durante vários anos o seu trabalho envolveu levar equipes de trabalho, muitas vezes executivos, para excursões na selva sul-africana, o que produzia experiências que, muitas vezes, os levava ao limite do estresse.

Andrew sorria enquanto contava em detalhes os vários dilemas, dificuldades e desafios que ele criava para os habitantes do mundo dos escritórios vivenciarem ao ar livre. Conforme se deparavam com situações em que eles eram fisicamente desafiados, testados emocionalmente e que simplesmente os deixava com medo, começavam a se tornar pessoas diferentes, com novas perspectivas e passavam a entender coisas sobre si e seus colegas de trabalho, que jamais haviam percebido. Quando voltavam para casa, a maioria deles retornavam ao trabalho com importantes questões pessoais resolvidas.

Pareceu-me um projeto fascinante: aprender coisas sobre si mesmo e seus companheiros de trabalho testando seus limites. Imaginei como seria interessante a posição dele —não apenas pela aventura em si e por estar em lugares emocionantes, mas pela oportunidade de ver outras pessoas vivenciarem epifanias e transformações.

Não é todo dia que converso com alguém como Andrew, e achei que ele poderia me dar algumas dicas sobre trabalhar com os outros, com base nos seus anos de experiência com as pessoas, de uma forma tão interessante.

— Em todos os seus anos trabalhando com formação de equipes —perguntei—, qual tem sido a principal dificuldade ou problema que precisa ser resolvido entre os integrantes desses grupos?

— Comunicação. A dificuldade quase sempre é de comunicação.

— Como assim? As pessoas que trabalham juntas não se falam o bastante?

— Falam e muito! Mas quase ninguém escuta o bastante.

Pronto! Era o que eu precisava ouvir. Pude me identificar com aquele problema. Não que eu não soubesse que não era a ouvinte que deveria ser. Naquela conversa, como expliquei, passei a maiorparte do tempo ouvindo porque estava muito interessada nas histórias do meu companheiro de viagem. Mas de um modo geral, não sou de ficar calada nas minhas conversas.

Andrew explicou que como a comunicação não existe a menos que as pessoas se entendam. Na maioria das vezes, as pessoas pensam que se comunicaram por haverem falaram o que achavam que deveriam ou porque escreveram o que entendiam deveria ser escrito. Entretanto, nem desconfiam se foram de fato entendidos pelos seus interlocutores ou leitores. Não é raro estes interpretarem a mensagem de forma totalmente diferente do que tencionava o comunicador.

Para descobrir que você se comunicou efetivamente ou se entendeu o que a outra pessoa estava comunicando, faça perguntas e… (adivinhou) escute!

Faz pouco tempo, ouvi uma palestra proferida por Peter Kreeft, “Uma Coisa É Necessária“, na qual se baseava na mesma lição que eu acabara de aprender sobre a necessidade de escutar. Kreeft disse com muita sabedoria: “Poucas pessoas podem ser grandes palestrantes, mas todos podemos ser grandes ouvintes.” Acho que, às vezes, esforço-me demais para falar bem e esqueço que na maior parte do tempo, não é o que a maioria das pessoas quer ou precisa.

O palestrante também disse: “É raro duas pessoas escutarem uma a outra. E especial. Algo acontece quando escutamos.” Tenho algumas lembranças de vezes em que aprendi coisas incríveis simplesmente porque me calei e escutei. Infelizmente, foram, relativamente, poucas vezes. Poderiam ter sido bem mais.

Não sei se a decisão de ser uma boa ouvinte pelo resto da vida é realista, mas estou tentando me esforçar mais para encontrar pessoas a quem escutar. Por que me limitaria ao que está na minha mente, quando posso aprender com as percepções de muitas outras mentes —inclusive e principalmente, a mente de Deus.

Algo que também me ocorreu sobre a habilidade de escutar foi que há vezes na vida —e parece que estou vivendo um desses momentos— em que não sentimos que temos muito a dar. Estamos passando por dificuldade ou até um tanto perdidos. Queremos ajudar os outros, mas não temos muita certeza de que o que temos a dizer poderia ajudar. Mas todos querem ser ouvidos e compreendidos. Se eu for uma boa ouvinte, sempre terei uma contribuição importante para dar. Muito provavelmente, será melhor do que qualquer coisa que eu tenha para dizer.

Leave a Reply